31 de Dezembro de 2018

Vamos entrar na guerra virtual

Conceito vencedor foi aprimorado e agora contamos com mais opções e mais diversão
São cada vez mais as opções para quem quer ter experiências diferentes utilizando a mais recente tecnologia. E se a febre dos `escape rooms' parece estar em alta, a verdade é que emoção a sério só é encontrada tendo por base a realidade virtual. E é essa mesmo a proposta da Zero Latency, marca de centros de realidade virtual presente em Espanha, Estados Unidos, Japão e Austrália e que há perto de um ano aterrou no nosso país pela mão da empresa espanhola Climbing Planet. E a verdade é que neste espaço de tempo houve uma evolução brutal dentro do conceito, que começou com apenas uma proposta de jogo c que agorajágnvolve mais opções e mais diversão. Com 'sede' no centro comercial Dolce Vita Tejo, este conceito vanguardista envolve equipas de um a seis jogadores, que devidamente equipados com óculos OSVR, headphones e uma mochila, recebem um briefing da missão e seguem para a aventura. Numa sala com 200 metros quadrados temos de cumprir com o que nos é pedido, podendo trabalhar em equipa, ou simplesmente animar as coisas com disparate atrás de disparate (também é divertido).

PODEMOS COMBATER ZOMBIES, DESTRUIR DRONES E ROBOTS OU ENTÃO LARGAR AS ARMAS E TENTAR REGRESSAR À TRIBO
No que diz respeito a opções de jogos, podemos embarcar no Zombie Survival', onde temos de nos defender de um exército de zombies, `Singularity ' , onde temos de abater drones e robots, e ainda ' Engineerium' , a mais recente opção da Zero Latency, onde temos de descobrir ° caminho para che gar junto da nossa tribo. 

In Record